Frêmito do meu corpo

Frêmito do meu corpo a procurar-te,
Febre das minhas mãos na tua pele
Que cheira a âmbar, a baunilha e a mel,
Doido anseio dos meus braços a abraçar-te,

Olhos buscando os teus por toda a parte,
Sede de beijos, amargor de fel,
Estonteante fome, áspera e cruel,
Que nada existe que a mitigue e a farte!



E vejo-te tão longe! Sinto a tua alma
Junto da minha, uma lagoa calma,
A dizer-me, a cantar que me não amas...

E o meu coração que tu não sentes,
Vai boiando ao acaso das correntes,
Esquife negro sobre um mar de chamas...

Florbela Espanca

Mantenedores do Blog:

Cachone - Ivan Petrovitch - Jorge Roberto Gonsalves - Rabinoo - Paladino - John Play - Kátia Midori - Antunes Savas - Umberto Bogart - Ernesto Kramer - Carmelo Zapala Giufrida - Paulo Menten - Fabio Evans - Gilmar Buki - Sergio Paulo Costa