Apresentação - AQTH575 o prazer de haiku

Foto de Cachone
Este blog e mantido pelo grupo Ouro Verde de Poesias com o nome “Haiku Groups 575” para promover uma maior interação entre os haikaistas e poetas. É um espaço aberto também para os que queiram ver suas publicações no blog.


O Haikai é um caminho que não se fecha em valores pessoais e não pretende julgar o mundo, mas que traz na sua simplicidade a arte de torná-lo mais visível e aberto à todos que queiram conhecer e aprender...

Se você não estudar poesia, não poderá falar. Kung Fu-tseu   [Confúcio] (551-479 aC)


 Haiku & Poesias


Gueixa

Em trajes típicos
inunda o seu perfume
a calçada
ao amanhecer
voltando cheia de enigmas
trazendo consigo os sonhos
de ontem

lembranças de um tempo
que não volta
mas a saudade
continua minha gueixa

                               poesia by cachone 250717

--------------------0^^0--------------------


se eu pudesse, levantava
onde algumas vezes eu fiquei de pé
agora aqui feito pó
acabando a seis pés abaixo


        para Cachone/ final de 2100


--------------------0^^0--------------------

VOCÊ IV

Apenas uma saudade


 I
 Da janela fico olhando a vida passar
E meu pensamento sobrevoa o espaço
Regressando e buscando no tempo
Pedaços do nosso amor que ficaram
Perdidos.

 II
 Não estavas ao meu lado quando chorei
Não vivo. . . sobrevivo. . ..
Procuro definir você e não consigo
Nem poderia, estou cansado.
Desapareço aos poucos
Devagar. . . lentamente. . .
Gritos e espaços, palavras e sussurros,
Prantos e murmúrios, viagens sem voltas,
Tempestades nos olhos, esperanças mortas.
Invadem a madrugada trazendo na lembrança
Tantas saudades, folhas que rolam folhas.
Que passam, vão murmurando devagarzinho uma.
Canção triste dentro da noite.

III
 São como meus sonhos
Desperdiçados no tempo que se perdeu
O pensamento reprisa
O coração oscila, a janela da alma chora,
Uma lágrima sentida
Fria e nua, que molha o corpo.
De tristeza, de carência e solidão. . .
  
IV
 Hoje: transformo-me em
Uma minúscula gota. . .

Hoje: sou apenas uma
Lágrima. . .
Sinto a tristeza invadindo meu coração. . .
  
V
 Como dói tentar te esquecer,
Como dói deixar de amar,
Tudo me lembra de você,
Cada som,
Cada tom,
Cada sorriso,
Cada lágrima,
Cada esperança,
Tudo foi sentido em vão. . .
  
VI
 Agora:
Sou como um cristal
Que se quebrou,
E os pedacinhos
São tão pequeninos
São tão minúsculos
Que colar vai ser difícil
  
VII
 Sempre ficarão marcas
Profundas e amarguradas
Para sempre,

Sim, porque você existiu.
Em minha vida. . .


                                                 Altair Cachone 031189

GRUPO OURO VERDE DE POESIAS - Calçadão do Cine Ouro Verde

Mantenedores: (Moderador e Coordenador do blog, Cachone) - Adevonzir Cascione - Ivan Petrovitch - Jorge Roberto Gonsalves - Rabinoo - Paladino - John Play - Kátia Midori - Antunes Savas - Umberto Bogart - Ernesto Kramer - Paulo Menten - Fabio Evans - Gilmar Buki - Pamelyn Chee - Paulo Sergio Costa - Arthur M.Cachone - Carmelo Giufrida Zapala - Miyako - Reginaldo Picoloto - Valdecir Merlo - Paulo Cesar Troiano